Login
Registrar
  • por
  • spa
  • eng
  • br

Cabeça acumulativa Bracke C16.a – Uma “estrela” em ascensão

A Timbérica, Lda., ciente da importância dos novos métodos de colheita de biomassa, tem apostado na divulgação da cabeça acumulativa Bracke C16.a entre os seus potenciais clientes, decorreram já diversos ensaios e demonstrações deste equipamento em diferentes situações de campo. Recentemente o Município de Mação utilizou a Bracke C16.a para levar a cabo o importantíssimo trabalho de limpeza florestal. Tratou-se da criação de linhas “corta-fogo”, com objectivo de compartimentar as áreas florestais e desta forma dificultar a progressão do fogo.
Este equipamento vem ganhando importância a nível internacional com a crescente utilização de biomassa florestal para aproveitamento eléctrico. No passado a opção generalizada passava pela deposição/trituração dos resíduos florestais no solo. Tendo em conta que em Portugal estamos imersos num processo de criação de uma ampla rede de centrais de biomassa que necessitarão forçosamente de novas fontes de energia terá que haver um grande aproveitamento da biomassa disponível e de máquinas apropriadas para a sua colheita.
Um dos países onde este tipo de equipamentos é já uma “estrela” é a Suécia. Em seguida descrevemos a experiência da empresa Alm Energigallring com a cabeça Bracke C16.a. Cabeça acumulativa Bracke C16.a em operação nas florestas de Mação
Bonito e arrumado na floresta – e dinheiro na sua mão
A empresa Alm Energigallring limpa as florestas nos arredores de Vimmerby e entrega o material processado para estilhaçamento para produzir bio-combustível, o que o torna um grande negócio para os clientes. Graças à cabeça Bracke C16.a, a empresa tem sido capaz de racionalizar as suas actividades desde Agosto de 2008.
Depois de ter trabalhado na floresta durante cerca de 10 anos, Robert Alm lançou a empresa Alm Energigallring em Vena, perto de Vimmerby, na região de Smaland, na primavera de 2007. Ele encontrou o seu nicho, utilizando a sua própria máquina, ajudando os proprietários florestais a familiarizarem-se com a limpeza e desbaste de material negligenciado. Após cerca de um ano, deu emprego a outra pessoa, e agora os dois operam por turnos na floresta.
“Antigamente, era obrigatório limpar a floresta, mas desde que esta exigência desapareceu, muitas pessoas têm querido evitar os custos da limpeza e simplesmente pararam de a fazer. Quando o material negligenciado é processado, o método tradicional de desbaste é demasiado caro. Nós podemos fazer o trabalho mais eficientemente com a nossa processadora,” explica Robert.
Como uma grande parte do material processado pode ser estilhaçado e utilizado em bio-combustível, o desbaste de limpeza não irá na verdade significar nenhum custo para o proprietário. Muito pelo contrário, é até possível ganhar algumas dezenas de euros por hectare desbastado.
“O bio-combustível é, naturalmente, muito utilizado hoje em dia e portanto a procura de estilha é alta. O que era caro há alguns anos pode agora proporcionar, pelo contrário, um retorno financeiro. Além disso, no final podemos circular pela floresta” Desde que Robert Alm e Henrik Axelsson começaram a usar a Bracke C16.a passam menos tempo em manutenção e mais a ganhar dinheiro na floresta.
Criar algo de bom

O facto de trabalhar no cuidado da floresta é algo que Robert aprecia. “A limpeza e desbaste é basicamente trabalho florestal, mesmo assim, graças ao bio-combustível, pode também gerar um lucro para o proprietário florestal. Frequentemente, não se consegue ver um metro entre as árvores antes de iniciar o trabalho, mas no final tudo fica bonito e arrumado. Sentimo-nos como se estivéssemos a criar algo de bom,” explica Robert.
A Alm Energigallring opera num raio de cerca 100 Quilómetros em redor de Vimmerby. O seu principal cliente é a Sveaskog, mas também ajuda uma série de pequenos proprietários privados. De acordo com Robert, existe um bom mercado para os serviços da sua empresa. “A necessidade de limpeza e desbaste é enorme nas florestas. Também podem beneficiar de subsídios da UE por manter clareiras para pastagem. Na verdade existe imenso trabalho para nós fazermos. É apenas uma questão de garantir o trabalho,” conta ele.
De forma a alcançar bons resultados finais no trabalho de limpeza, Robert explica que necessita de ser preciso e ágil. Também necessita do equipamento correcto. Foi por isso que a compra da cabeça Bracke C16, em Agosto de 2008, foi um investimento importante para Robert.
“Antes disso, eu usava um cortador na minha processadora, mas existiam paragens constantes para reparações. Quando ouvi falar na solução Bracke, que usa um sistema de disco com corrente, analisei-a cuidadosamente e optei por ela imediatamente,” explica ele. “Com a C16, evitamos a necessidade de uma serra eléctrica. A grande maioria do material com que nos enfrentamos é derrubado”
Menor manutenção e trabalho mais rápido
Robert encontra várias vantagens na cabeça acumulativa C16. Por um lado, a necessidade de manutenção foi substancialmente reduzida. “Quando usávamos o cortador, gastávamos meio dia por semana só em manutenção. Tenho um operador que recebe um salário e custa dinheiro mesmo quando estou parado a soldar. Isto simplesmente não funciona a longo prazo. A C16 tem uma enorme lâmina com uma corrente de ¾ de polegada. Mudar a corrente demora apenas alguns minutos.” Além disso, evitam-se paragens e reparações, o que torna também o trabalho muito mais eficiente.
“Sem dúvida que trabalhamos 30% por cento mais rápido com esta cabeça do que com a anterior. Como é acumulativa, podemos enfrentar qualquer diâmetro desde meio centímetro até 26 centímetros. Com uma processadora normal, não conseguiríamos lidar com nada abaixo dos 7 centímetros. Portanto com a C16, evita-se a necessidade de uma serra eléctrica. A grande maioria do material com que nos enfrentamos é derrubado,” explica Robert.
O abate também é melhor, uma vez que as árvores são completamente cortadas e evita raízes, que não podem ser usadas no estilhaçador. “Com a cabeça Bracke, pode-se cortar erva se se pretender!” afirma Robert. Os clientes da Alm Energigallring também podem beneficiar da escolha do equipamento. Como o trabalho é mais eficiente, os custos para o proprietário florestal são reduzidos, proporcionando-lhes um retorno líquido mais elevado no seu bio-combustível, “E quando enfrentamos pequenos problemas que naturalmente ocorrem, a Bracke tem sido fantástica proporcionando-nos um excelente serviço,” conclui Robert. Robert Alm, Alm Energigallring, Vena, Suécia
Bracke C16.a
• Cabeça acumulativa para silvicultura e biomassa.
• Adequada para toda a limpeza mecanizada.
• Combina uma limpeza altamente eficiente com a capacidade de cuidar de uma escala de valor.
• Pode ser montada em processadoras florestais, escavadoras, autocarregadores, e outras máquinas equipadas com grua.
• Pesa 510 kg.
• Diâmetro da faca de 795 mm.
• Diâmetro de corte até 260 mm.
• Corrente de corte com ¾ de polegada.
• Requisitos hidráulicos: pressão de 180 bares, caudal de 100 l/min.
• Sistema de controlo baseado em PLC.
• Sistema GPS FC-GIS disponível como opção.
Publicado em: 20 OCT 2009
GalleryGalleryGalleryGalleryGallery