Login
Register
  • por
  • spa
  • eng
  • br

A transformação de uma montanha


Tem mais de 100 metros de altura e pesa mais de seis milhões de toneladas. É composta por cinzas de carvão e resíduos da central eléctrica das proximidades, e ainda está a queimar por dentro. "Não é muito bonito", diz Ines Llerena Gil, a arquitecta municipal da cidade. "Mas tornou-se parte da nossa pequena cidade e nós estamos bastante apegados a ela." A "Terri", como é carinhosamente chamada, é um enorme aterro que se acumulou ao longo de mais de 100 anos de mineração de carvão a céu aberto e geração de electricidade. Encontra-se mesmo à entrada da cidade de Puertollano, na Província de Ciudad Real (Centro de Espanha). E desde que a linha ferroviária de alta velocidade passa por ela, mais de 50.000 pessoas podem vê-la todos os dias. Tornou-se num verdadeiro marco, que toda a gente associa a Puertollano. Então, quando esta pequena cidade mineira recebeu um subsídio do governo central para remover o que a maioria das pessoas consideraria uma "ferida aberta" houve muito debate sobre o que se deveria fazer. "Todos a conhecemos e faz parte da nossa identidade", diz Llerena Gil. "Somos uma cidade industrial e estamos orgulhosos disso." É então quando a Câmara Municipal teve a ideia de não nivelar a montanha, mas transformá-la num belo parque, levantado no horizonte. A missão era cortar o topo, cobri-lo com solo, plantar relva e árvores, e construir uma estrada até ao cume. Os visitantes poderão, então, ter vistas espantosas sobre a paisagem circundante, enquanto estão sentados num dos terraços construídos para o efeito, ou fazer um piquenique na relva. "Seria uma maneira de preservar a nossa identidade de mineração de carvão, mas sem toda a poeira", diz Llerena Gil.
Máquinas Cat mencionadas na proposta
"Quando fomos convidados a apresentar propostas para o trabalho", diz Omar Tomás, gerente do projecto, "estimamos que seria necessário movimentar cerca de meio milhão de toneladas de material para criar o planalto, e mencionámos na nossa proposta de que utilizaríamos máquinas Cat - toda gente conhece a Caterpillar, é uma empresa sólida e bem sucedida. Portanto, o facto de estarmos a usar máquinas Cat só poderia ajudar-nos a ganhar o contrato de dois anos e meio." A “Terri” está agora a meio caminho da sua notável transformação. Linhas de electricidade e de água, foram estabelecidas para abastecer a iluminação pública planeada e pequenos quiosques, mas como a “Terri” ainda está latente no seu interior são necessárias condutas especiais resistentes ao calor. "Colocaremos a camada superior do solo e plantaremos árvores muito em breve", diz Omar. "E mais importante, vamos utilizar espécies de árvores e de plantas autóctones, porque todo o projecto é na verdade uma celebração da identidade de Puertollano."
O empreiteiro espanhol, imes API, está a utilizar uma escavadora Cat 330C, um tractor de rastos D6, uma escavadora de rodas M322D, e uma motoniveladora 140 para mover e preparar está enorme quantidade de terra. "Nós gostamos das máquinas Cat", diz Alfredo Gonzalez, o operador da motoniveladora. "Eu manobro motoniveladoras há oito anos e fico sempre radiante quando uso uma máquina Cat. Elas são muito confortáveis e a visibilidade é enorme."

A poeira - o grande inimigo


"Obviamente, não se pode mover meio milhão de toneladas de cinzas, sem criar nuvens de poeira", diz Omar. "Então, para evitar que as nuvens de poeira se dirijam para Puertollano apenas trabalhamos quando o vento está noutra direcção. No início considerou-se a utilização de filtros especiais e equipamentos de movimentação de ar nas máquinas Cat, mas depois decidiu-se que elas eram suficientemente robustas e resistentes. E até hoje tem corrido tudo de acordo com o planeado." O representante local da Caterpillar, a Barloworld Finanzauto, está a ajudar a manter as máquinas em funcionamento. O seu contrato de manutenção assegura um serviço e inspecção regulares enquanto a sua Amostragem Periódica de Óleo (ou S • O • S do inglês Scheduled Oil Sampling) contribui com a manutenção preditiva. As amostras de óleo de cada máquina Cat são enviadas para os laboratórios da Cat a cada 25 dias. "Na maioria das vezes os resultados voltam com tudo OK", diz Omar. "Mas, ocasionalmente, os resultados identificam um problema de contaminação, nada surpreendente num ambiente tão sujo. Felizmente, essas contaminações são raras e, graças ao S • O • S descobrimo-las sempre com bastante antecedência, antes que causem qualquer dano."
O projecto fica concluído no final de 2009. "Mas na verdade não fica ainda completo", diz Rafael Sanchez, urbanista de Puertollano. "Deve dar-se tempo ao parque para crescer e amadurecer, esta será certamente uma experiência agradável, para nós e para as gerações vindouras."
Published on: 15 DEZ 2009
GalleryGalleryGallery