Login
Register
  • por
  • spa
  • eng
  • br

Trabalho de uma pavimentadora CAT num aeroporto sueco


A Peab Asfalt da Suécia encarrega-se principalmente de grandes projectos de estradas e auto-estradas no interior do país. Não obstante, a empresa estava disposta e era capaz de aceitar um novo desafio quando lhe foi apresentada a oportunidade de pavimentar a pista de um aeroporto.
“Quando se trabalha num projecto como este, pode acontecer qualquer coisa", afirma Reijo Seppanen, director de projectos da empresa. É provável que se apresentem problemas com o clima e há sempre pressões de tempo e prazos a cumprir. Tinhamos que sair da pista uma hora antes que chegasse o seguinte avião”.

Projecto
O trabalho realizou-se num aeroporto de Jonkoping. É um aeroporto relativamente pequeno do interior da Suécia, mas muito importante. “Não dispomos de muitos aeroportos nas redondezas”, prossegue Seppanen.
Habitualmente desviavam-se os voos durante o projecto, à excepção de dois por dia, durante a tarde ou noite. Isto permitiu que a Peab Asfalt fizesse grandes progressos todos os dias e ao mesmo tempo mantiveram-se as ligações dos passageiros de entrada e saída assim como as cargas com os aeroportos importantes de Estocolmo e Copenhaga.
“Inclusivamente com os voos limitados, tivemos que nos ajustar a horários”, continua Seppanen. Frequentemente, a pavimentação era iniciada em plena noite e prolongava-se até avançada hora da tarde do dia seguinte.
A primeira fase do projecto foi contratada a outro empreiteiro, esta consistiu em fresar cerca de 50 mm da superfície existente. “Em seguida, colocamos o asfalto”, prossegue Seppanen. A etapa de pavimentação do projecto levou cerca de três semanas.


Pavimentação
A segregação é algo que Seppanen e o pessoal de Peab Asfalt têm sempre em consideração. Os esforços por evitá-la começam no local de carga, realizando o carregamento correcto dos camiões. Os próprios camiões têm fundos arredondados, não planos. Isto evita que os materiais se peguem quando se vertem na AP600D Cat posteriormente durante o processo.
Os camiões fizeram um percurso de cerca de 70 Km desde o local de carga até ao aeroporto. Não havia muito tráfego, apesar da área, e a maior parte da pavimentação foi realizada durante a noite. Os ciclos de trabalho mais breves dos camiões, juntamente com outros esforços para evitar a segregação, valeram a pena.
Os nossos camiões estão isolados, portanto o asfalto permanece quente”, afirma Seppanen. Não houve nenhum problema em manter o asfalto quente nos camiões porque a obra foi realizada durante o verão”.
Ao sair do local de carga, a mistura tinha uma temperatura de 170º-180º C e era vertida na tremonha a uns 160º-165º C. Calculou-se a produção da unidade local, a velocidade de pavimentação e camiões para que a pavimentadora trabalhasse a uma velocidade constante. “Estávamos constantemente em movimento”, explica Seppanen. “Esse era um dos esforços chaves para evitar a segregação.
Outro método para evitar a desagregação é recolher a mistura pelos lados da tremonha durante todo o turno. “Não fechamos os lados (da tremonha) entre camadas para o material solto”, explica Seppanen. “O asfalto que está nos lados está frio e não queremos que se misture com o material mais quente. Quando terminamos o trabalho diário, limpamos os lados”.
A AP600D era nova na obra, a empresa usava um produto de outro fabricante.

“Estou muito satisfeito com a pavimentadora Cat” “É silenciosa comparada com as outras”. Seppanen apreciou também o rendimento do combustível. “Não consome demasiado gasóleo – poupa muito combustível”, afirma. O pessoal destacou também que os ajustamentos da régua foram fáceis de fazer.
A pavimentadora trabalhou a um ritmo de cerca de 4-5 m por minuto, estendendo uma camada de 40 mm. A pavimentadora Cat trabalhou numa largura de 4,5 m. Foram necessárias três passagens para cobrir a largura da pista de 45 metros.
“A parte central da pista é o ponto mais alto devido à drenagem”, explica Seppanen. “Começamos por um lado, em seguida fizemos cinco passagens até que chegamos à parte central. Depois, começamos pelo lado oposto e trabalhamos até chegar à parte central".
Devido à largura da obra tiveram que ser feitas muitas uniões longitudinais. O pessoal da Peab Asfalt estendeu a superfície de pavimentação nova e quente mais alta relativamente à superfície de pavimentação fria adjacente. Usou-se um rolo pequeno para compactar as uniões.

Compactação

A compactação foi realizada por três rolos pesados. Os três estavam na gama de 11 toneladas métricas.
O primeiro rolo realizou 6-7 passagens, os movimentos de ida contaram-se como uma passagem e os de volta como outra passagem. “O operador foi muito exigente com a pavimentadora e chegou a trabalhar até 20-30 m, explica Seppanen.
O segundo rolo trabalhou a uns 50 m da pavimentadora. O número de passagens mudava em função das condições do dia. O compactador vibrava enquanto realizava as passagens.
O terceiro rolo não ficou atrás relativamente ao resto do trem de pavimentação. “A sua função principal era eliminar as marcas da superfície de pavimentação e alisá-las”, explica Seppanen.
Tomaram-se amostras durante o trabalho para estar certos de que se estava a obter uma compactação adequada.

O projecto era muito estrito relativamente a prazos de tempo e produção, mas a Peab Asfalt aceitou o desafio. “É raro haver a oportunidade de realizar projectos como este”, afirma Seppanen. “E quando se apresentam há que aproveitá-las”.
A assistência dos produtos é muito importante para ajudar a empresa quando há que cumprir com prazos e ultrapassar outros obstáculos, afirma Seppanen. “Em caso de problemas, telefono ao distribuidor e ajudam-nos imediatamente” afirma. “Primeiro tratamos por telefone e normalmente conseguimos resolver os problemas. Se não se resolve o problema rapidamente, eles vêm de imediato à obra”.
Uma boa combinação de assistência ao cliente e disponibilidade de peças de substituição ajuda a manter o equipamento em perfeito estado de funcionamento. “Isto é muito importante quando se realizam trabalhos com prazos de tempo limitados”, afirma Seppanen.
O aeroporto demonstrou ser um desafio, mas neste caso, tanto o pessoal como a pavimentadora demonstraram que eram capazes de realizar a tarefa.

Published on: 02 FEV 2011
GalleryGalleryGallery