Login
Register
  • por
  • spa
  • eng
  • br

Ceifeira John Deere 643J na nova floresta de Portugal

São poucos os feller bunchers  a operar na Europa. Em Portugal, tudo indica que comecem a fazer escola.
A empresa Ecotimber, Lda. foi criada em finais de 2005 para explorar biomassa florestal. Depois de analisado o mercado e os recursos locais, os seus responsáveis optaram por uma abordagem revolucionária entre a exploração florestal europeia. Apostaram no método full tree.
Como nos indicou Pedro Moura Lima, responsável pelo departamento operacional da Ecotimber, “Este método – que consiste no corte da árvore inteira – é a melhor solução quando pretendemos explorar biomassa. Até agora os intervenientes do sector não o valorizavam convenientemente pois apenas se procurava retirar da floresta a madeira para celulose, no entanto esse panorama está a mudar drasticamente”.

Mudança do panorama energético português
A mudança é rápida e drástica porque vêm aí as centrais de biomassa. Em Portugal existe um plano ambicioso para instalação de uma rede descentralizada de centrais de biomassa, com potência total de 250 megawatts. E claro, para alimentar todas as centrais será necessária uma grande quantidade de biomassa.
É este factor que alterará completamente a exploração florestal em Portugal. “Até aqui apesar de ser obrigatório limpar os resíduos florestais quase ninguém o fazia, as coimas não eram prática corrente e os resíduos acabavam por não sair do terreno. No futuro próximo haverá grande necessidade de biomassa e esta actividade emergirá seguramente” afirma Pedro Lima.
A verdade é que enquanto só houve aproveitamento das árvores para celulose, poucas pessoas tomaram atenção nas qualidades do equipamento. Com o aproveitamento completo da árvore quer seja toda para biomassa ou, o tronco para celulose e os resíduos para biomassa, o feller buncher passa a ser uma peça fundamental na rentabilidade da exploração florestal.



O entusiasmo de Pedro Lima relativamente à máquina é grande “com o John Deere 643J podemos cortar a árvore e fazer o estilhaçamento in situ. E é isso que estamos a fazer numa exploração de pinheiro manso. Cortamos a árvore, passamos o estilhaçador e o material é lançado directamente para o reboque. Conseguimos rendimentos muito significativos e por esta razão são já muitos os proprietários interessados neste método, creio que é um dos métodos do futuro”.
Obviamente que esta máquina não se desenvolve em todas as condições de terreno. Como estamos a falar de um equipamento de rodas, não deve trabalhar em áreas com mais de 25% de inclinação. Por outro lado, nas zonas com grandes densidades de plantação o operador tem de saber planear muito previamente as suas acções. Mas nas condições de trabalho ideais a exploração florestal com esta máquina – tendo em conta todas as operações – pode traduzir-se em rendimentos 25 a 30% superiores relativamente à exploração através dos métodos mecanizados tradicionais (com processadora e autocarregador). Até porque o John Deere 643J, além do seu motor de 6 cilindros com 201 cv de potência máxima, beneficia ainda de um sistema hidráulico com bomba hidráulica de débito variável para funcionamento da máquina base com prioridade da direcção e de uma bomba hidráulica dedicada para funcionamento exclusivo da cabeça.

Fiabilidade da máquina

Esta é uma máquina muito fiável, com raros problemas mecânicos. No entanto não é fácil de operar e é algo instável. Como refere Pedro Lima “o nosso operador é muito experiente e consegue dominá-lo adequadamente, mas têm que se conhecer os limites da máquina, apesar da cabeça acumulativa FD-45 ser uma óptima ferramenta com capacidade para diâmetros até 45 cm, também é um ponto crítico da máquina pois a sua carga excessiva traz instabilidade ao conjunto”.
Já em termos de manutenção o 643J não obriga a grandes acções. Os dentes dos discos de corte – presentes na cabeça – são as peças de maior desgaste e que exigem a maior atenção. Além disso sempre que existe algum problema mais agudo o importador de John Deere em Portugal, a Timbérica, Lda., assegura uma rápida e eficaz assistência.
O consumo de combustível é importante, na casa dos 25 litros por hora e o preço de aquisição do equipamento novo também é considerável. Por isso o mercado de usados poderá vir a ter grande importância neste tipo de equipamentos.
O feller buncher em operação numa área queimada

Prevendo o futuro
Pedro Lima não pára de imaginar o futuro com estas máquinas e sugere desde já alterações no 643J tendo em vista uma rentabilidade ainda maior. “Seria óptimo se a cabeça pudesse levantar mais 80 centímetros de forma a cortar a uma altura máxima de 2,5 metros. Desta forma nas explorações de pinheiro manso, por exemplo, poder-se-ia separar automaticamente o tronco da copa, tendo em conta a sua utilização final potencialmente diferente”. Outra característica importante a implementar nestas máquinas, segundo Pedro Lima, seria a possibilidade de serem auto-nivelantes para que a máquina pudesse deslocar-se sempre nivelada.
Fica claro que a Ecotimber é uma empresa que institui métodos novos na exploração da floresta e que se antecipa ao futuro desta actividade, sendo desde logo uma das empresas com métodos mais inovadores para colheita de biomassa a nível europeu e contando como actor principal com o feller buncher John Deere 643J.


Pedro Lima (à esq.) e José Neto (operador da máquina) (à dir.) ao lado do John Deere 643J
Published on:20 JUN 2012
GalleryGalleryGalleryGallery